Skip to main content

Veículo de comunicação mente ao tratar de dentista presa em Goiânia

Na última semana, um grande veículo de comunicação noticiou sobre uma dentista presa em Goiânia. Acusada de deformar diversos pacientes a partir da realização inadequada de procedimentos cirúrgicos, a profissional teve o caso noticiado de forma a tentar desmoralizar a classe dos odontologistas quanto a sua capacidade e legalidade para operação de procedimentos cirúrgicos. Os […]

Na última semana, um grande veículo de comunicação noticiou sobre uma dentista presa em Goiânia. Acusada de deformar diversos pacientes a partir da realização inadequada de procedimentos cirúrgicos, a profissional teve o caso noticiado de forma a tentar desmoralizar a classe dos odontologistas quanto a sua capacidade e legalidade para operação de procedimentos cirúrgicos.

Os grandes veículos a favor da reserva de mercado médica

Não é novidade que a classe médica está em vantagem quanto a defesa de direitos e no senso de responsabilidade constantemente reforçado pelas diferentes mídias, o que ajuda a manter não apenas a credibilidade, mas a reserva de mercado, visto como praticamente exclusivo em diferentes atuações, incluindo a estética.

No caso da dentista presa em Goiânia, notícias de grandes veículos de comunicação buscam tratar o ocorrido como indício de despreparo de toda uma classe, tratando por exemplo a realização de cirurgias com finalidades estéticas como algo de exclusividade da formação e atuação médica.

Matérias como estas servem para a desinformação e descredibilização de setores que tanto se dedicam e lutam por um espaço no mercado, de acordo com as próprias competências, pautadas em bases sólidas de formação e experiência.

Entre as mentiras exploradas na referida matéria está a afirmação de que cirurgiões-dentistas não podem realizar o procedimento de face lifting cirúrgico, além de errar ao afirmar que o procedimento é o mesmo que a lipo de papada.

Quais cirurgias de para fins estéticos os dentistas podem realizar?

Há, é claro, cirurgias estéticas que estão fora das competências dos cirurgiões-dentistas, estando expressamente proibidas, sobretudo os procedimentos corporais, uma vez que o foco do profissional com formação em odontologia se limita às regiões de cabeça e pescoço.

Assim sendo, os procedimentos cirúrgicos permitidos dentro da especialidade de estética extraoral em odontologia atualmente são:

  • Lipoplastia facial

Não se trata de um procedimento em específico, mas de diferentes procedimentos que têm como objetivo reduzir o volume causado por gordura em locais específicos. Para esta finalidade, podem ser executados procedimentos químicos, físicos ou cirúrgicos.

Dentre os procedimentos cirúrgicos caracterizados como Lipoplastia, estão a Bichectomia e lipo mecânica em diferentes regiões da face e pescoço, como a região nasolabial, submental e de jowls.

Paciente recebe anestesia local para a realização de Lipo de Papada.
  • Lip Lift

Consiste no encurtamento do espaço entre o nariz e o lábio superior, de modo a destacar os lábios, fazendo-os parecer mais cheios e volumosos, e acentuando também características do sorriso.

O procedimento cirúrgico também contribui em muitos casos para acentuar a harmonia da face em pacientes que têm uma distância acentuada entre o nariz e o lábio superior, especialmente porque esta é uma região que naturalmente é influenciada pelo envelhecimento, causando um aspecto de lábios mais caídos.

  • Lifting temporal

Como o nome sugere, este procedimento busca tracionar e causar um efeito lift a partir da região das têmporas utilizando fios de tração. O resultado de elevação de tecidos causado pelo procedimento é duradouro, mas seus efeitos também são afetados pela ação do tempo, sendo recomendada a associação com outros procedimentos para contribuir no efeito de longo prazo.

Todos esses procedimentos demandam cuidados especiais quanto ao aparato necessário, no rigor da assepsia e da técnica empregada. Tudo isso em um ambiente especialmente preparado para a realização de procedimentos cirúrgicos.

Para executar cirurgias na face e pescoço, os dentistas precisam então de uma formação robusta e séria, com métodos de treinamento e contato com diversos pacientes reais, além de noções aprofundadas das possibilidades de intercorrências.

O que está se falando sobre a dentista presa em Goiânia

Segundo a matéria, a profissional presa foi negligente com diversos pacientes e realizou procedimentos não equivalentes a sua formação. A dentista também está proibida pela justiça de realizar cirurgias de fins estéticos desde 22 de novembro do ano passado, depois que a polícia cumpriu mandado de busca e apreensão em sua clínica, encontrando produtos e equipamentos vencidos no local.

Em janeiro deste ano houve cumprimento de novo mandato, resultando em interdição da clínica e multa em cerca de 400 mil reais.

Quanto à prisão, a defesa alega que a justiça confundiu o procedimento realizado que justificou o encarceramento, afirmando que não se tratou de cirurgia estética, mas de caráter reparador e dentro das competências da profissional, enquanto cirurgiã bucomaxilofacial.

Dessa forma, a defesa da profissional alega que a prisão foi arbitrária e injusta, e que entre as imagens associadas a acusações de intercorrências graves estão fotos que não correspondem a atendimentos realizados pela acusada, além de fotos de processos comuns de cicatrização interpretados erroneamente.

Independente dos desdobramentos deste caso, sua utilização em função de disseminar mentiras e contribuir para descredibilização de profissionais da saúde pouco condiz com a realidade de profissionais realmente empenhados em levarem resultados de excelência a seus pacientes, alcançados através de muita dedicação e responsabilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *